segunda-feira, junho 10, 2019





30º Encontro : Nossas dores !!

Lá estávamos nós na Academia em mais uma manhã de primavera. Temperatura agradável, nem os aparelhos de ar condicionado tinham sido ligados. O burburinho dos colegas preenchia o espaço, num ambiente de coleguismo e fraternidade.

Embora a faixa etária dos participantes fosse muito variada, não se podia dizer que os mais jovens levavam vantagem na execução de seus respectivos exercícios. Os pesos e desafios de cada um , eram proporcionais às suas capacidades.

Meu amigo me confidenciou que estava sentindo dores na coluna. Lembrei a ele, que ele tinha um comprometimento nas vértebras L2 e L3.Até então ele não havia se queixado, mas a inclusão de novos exercícios de agachamento, lhe fazia muito bem para as pernas, forçava sua coluna. Divagamos um pouco sobre dores. Ponderei que todo o ser vivo tem dores. Nós humanos a partir de certa idade, conseguimos localizar e detalhar nossas dores.
Meu amigo lembrou que há dores físicas e mentais, que atualmente atingem todas as camadas sociais e idades. As depressões, os distúrbios neurológicos, as doenças adquiridas ou congênitas. São sofrimentos do paciente e dos familiares, que muitas vezes se sentem incapazes de ajudar a resolver a dor e o mal estar. Dizem que os suicidas sentem uma dor terrível, indescritível, que os impulsiona para o ato de desespero. Mas há dores emocionais, cuja origem pode ser do trabalho, de relacionamentos, de origem familiar ou outras situações. Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, dores estomacais e dor nas articulações.
Neste contexto, entre homens e mulheres, o poder de resistência a dor, seguramente é maior das mulheres. Parece que pela destinação natural à maternidade, elas já são preparadas a resistir melhor às agruras . A dor de parto e o calculo renal dizem ser as mais fortes que ser humano enfrenta.
Mas há enfermidades, cujo processo de deterioração, vão minando as forças e causando dores gradativas, a ponto de ser estancada com a morfina ou com o desligamento de nervos condutores.
Ao longo da vida, quando jovens temos as dores naturais da idade e do momento que vivemos. Um braço quebrado, um tornozelo torcido, uma dor estomacal ou uma gripe muito forte. À medida que os anos passam , estas mesmas questões, passam a ser vistas como mais problemáticas e os cuidados redobram. Aos trinta anos uma gripe tem um efeito. Aos setenta anos, exige cuidados especiais. Mas uma dor de dente não tem idade e não deixa ninguém dormir. Vemos diariamente atletas saindo das quadras e campos de futebol, com dores e chorando, mas dias após, já estão recuperados e voltando as atividades. Uma artroscopia de joelho num atleta de vinte anos é um fato corriqueiro e pouco tempo depois está na ativa. Já num adulto, não atleta, é um processo complicado.
Sob o efeito da dor nada é confortável e aceitamos qualquer proposta para suprimi-la. As dores dispersas, as dores localizadas, são inconcebíveis no nosso padrão de estabilidade. Dores eventuais e dores permanentes, todas elas nos tiram do prumo, do bom humor e da graça de viver. A dor , além de impactar na qualidade de vida pode levar a limitações importantes que alteram a capacidade funcional do idoso , ainda mais se estiver associado a outros diagnósticos, como a Doença de Alzheimer, pois o paciente fica incapaz de relatar com clareza seu desconforto.
As dores são sintomas que algo não vai bem no nosso organismo e devem ser vistas como alertas. Mal de nós se , sem dores. Descobriríamos nossas doenças, já em fase avançada. Elas também nos temperam e nos deixam mais humildes, sem a prepotência inata do ser humano. Dizem os filósofos “o que não me destrói, me fortalece” As limitações que vem junto com elas e nos dão a dimensão da nossa finitude e do nosso futuro incerto. Hora de nos aproximar Dele, e pedir Sua proteção. Deveríamos fazer isto sempre, mas só nos lembramos de Santa Barbara quando troveja !
Finalizamos nossos exercícios , nosso papo e partimos para a lida, felizes por mais um dia pela frente. 

JT Brum 2019

segunda-feira, junho 03, 2019







29º Encontro Transfusões e seus benefícios


Nesta semana meu amigo não veio na Academia na segunda e terça feira. Pensei que algo deveria ter acontecido. Quarta feira o encontro cedo e já fazendo os exercícios. Um largo sorrido logo avisava que nada de mais havia lhe abatido, apenas uma transfusão de sangue. Isto para combater um pouco de anemia que teve, fruto das inúmeras quimioterapias.

Meu amigo falou como se sentia, antes e depois do processo. Como era mágico este procedimento. Pessoas cedem gratuitamente seu sangue, por caridade, generosidade ou solidariedade e vai para pessoas como ele, que necessita não de medicamento, mas um produto de origem humana como o sangue.
Ainda não temos nas farmácias , por preço nenhum, 200ml de sangue tipo A. Dependemos de alguém que possua e queira doar.
Muitos doam para seus conhecidos e familiares, mas tem muito mérito, os doadores para dos os bancos de sangue, doadores anônimos que fazem o bem, sem se preocupar a quem vai beneficiar. É isto que chamamos de solidariedade do ser humano.
Mas a há outras formas de transfusões, que muitas vezes não nos damos conta. Os gestos de carinho e afeto, os exemplos e em especial as palavras bem colocadas e na hora certa.
Meu amigo dizia ser uma pretensão sua, fazer de seus textos “transfusões” de exemplo, de incentivo e de apoio a quem em situação semelhante possa precisar.

Estas palavras têm que ter o peso e o tipo próprio de cada leitor. Uma metáfora para que estas palavras possam fazer bem, sem criar dúvidas ou mal entendidos.
Acrescenta meu amigo, receber tantas “transfusões” após publicar cada texto, recheadas de carinho, incentivo, elogios, generosidade, sente-se mais forte para se concentrar no próximo texto, pressionado pela responsabilidade que vem junto.

No dia a dia, com nossos familiares, amigos e conhecidos, também fazem estas “transfusões”. Damos e recebemos. Vale um telefonema, uma visita. A qualidade destas trocas é o que gera um ambiente salutar e propicio ao desenvolvimento do ser humano. Sentia-se renovado com um telefonema ou com a visita dos amigos, nos seus dias mais difíceis.
Na Academia temos amigos convalescentes. Uma palavra de estimulo, apoio e compreensão, serve de “transfusões” pequenas ou grandes, dependendo da receptividade , disponibilidade e sinceridade de quem dá e de quem recebe.
Meu amigo me mostrou um texto escrito há algum tempo atrás, quando iniciou o curso de Escrita Criativa, ali revela ao pensamento sobre porque escrever, ainda sem se dar conta da terapia deste ato.

“Porque quero escrever?: Há muito tenho este desejo. Na medida em que os tempos passam, hoje com 70 anos, acredito ter uma estória para contar. Quem ler terá noção mais clara, de quem fui e como passei por esta vida e como conquistei meu espaço. Eu próprio vou fazer uma imersão na minha infância, meninice e juventude. Terei o distanciamento necessário para admitir os erros e acertos? Tenho consciência que devo planejar bem para não tornar enfadonho o texto. Deve ser envolvente e com surpresas. Será minha realização pessoal. Espero “que as quimioterapias que me ajudam contra o câncer, não sirvam de empecilho nas minhas tarefas.”

Passados dois anos, ele segue seu caminho, com firmeza e determinação. Pode-se dizer bem sucedido até certo ponto, pois a persistência e disciplina, aprimoram seus textos a cada dia.

JTBrum 2019






segunda-feira, maio 27, 2019





28º Encontro : Resignação ou resiliência ?

Muitos questionam meu amigo , pelo fato de seus textos não ter uma ordem cronológica , nem ser um informativo do seu atual estágio de saúde. Respondeu-me, não querer que seus textos tenham um teor de boletim médico, onde se informa às últimas horas do paciente, a evolução ou involução do tratamento a que está sendo submetido. O tempo decorrido tem um “atraso” proposital de mais ou menos um ano.
Março de 2018 ele começava seu período de quimioterapias. Seu PSA esta fora de controle.  Seriam dez sessões. Como estava vacinado já com outras tantas, isto não lhe perturbava. Sabia dos efeitos colaterais e tinha aprendido a conviver com eles. Queda de cabelo, unhas, palidez e alguns enjoos nos primeiros dias. Sem falar na queda de imunidade a ser administrada, no dia a dia.
Passados estes dias mais críticos, lá estávamos nós na Academia. Entre um exercício e outro , um comentário, um papo , uma divagação sobre os assuntos do momento. Este clima de saúde, vitalidade, performance, contagiava meu amigo, embora sem as energias físicas necessárias, motivava-se a acompanhar e impregnar-se do suor alheio.
O grupo de corridas continuava sua rotina de treinos e preparavam-se para provas tanto na capital, mas muitas no interior. Meu amigo, mesmo sedento por correr, tinha ficado só na vontade. As quimioterapias tinham lhe roubado as forças, tanto das pernas como do pulmão.
Muitos se surpreendem com a vontade de viver e o apreço as coisas ligadas à saúde e a vida. Meu amigo não se porta como um doente vitima de uma doença crônica. Ele trata do assunto como se logo estivesse prestes a livra-se deste problema. Seu emocional supera o racional e sentir-se apaixonado faz parte do seu dia a dia. Isto não significa que não enfrente problemas diários, que sua vida seja um mar de rosas. Mas veja o exemplo. Passados seis dias da quimioterapia, ele contava com quinze dias de lua de mel, para curtir a vida , sem as limitações ou inconvenientes do tratamento. Assim, os períodos “problemas” ficavam abreviados e mais longos seus dias de folga e tranquilidade. Assim ele encara seis dias de quimioterapias. Com otimismo e resignação. Não há o que fazer.
A aceitação dos fatos , sem rebelar-se com a situação, tornava-o mais positivo e esperançoso, com o tratamento funcionando, voltaria a fazer tudo o que antes era normal nas suas atividades. Esta característica segundo meu amigo foi herdada de sua mãe. Ela uma mulher sem estudo, submetida à situação de trabalho doméstico e com a responsabilidade de criar sozinha um filho, sustentando com seu minguado salário. Nunca demonstrou infelicidade ou praguejou nas situações difíceis. Quando ainda pequeno pedia um brinquedo ou algo o atraía numa vitrine, com voz macia e convicta lhe dizia “Sim filho, quando não ventar, nem chover”. Isto bastava. Sabia seu pedido tinha sido aceito, mas não tinha data certa para ser realizado. Naquela época chamava-se resignação. É o mesmo que a aceitação, uma condição de estar submisso ao desejo e vontade de outra pessoa ou da ação do destino. O estado de resignação é compreendido como a ação de aceitar voluntariamente e pacificamente uma condição, mesmo que o individuo resignado não concorde com esta.
Hoje meu amigo, recordando fatos de sua infância, pôde entender muita coisa que na época não entendia. A submissão e resignação de sua mãe, sempre o deixaram intrigado, mas ela o criou livre destas pressões.
Nos nossos dias, o conceito de resiliência está em voga e definido como a capacidade de voltar ao seu estado natural, principalmente após situação crítica e fora do comum. A resiliência demonstra se uma pessoa sabe ou não funcionar sob pressão. Pode-se entender como uma evolução, um estágio acima, do que age com resignação ou daquele que amadurece e age com resiliência. Quantos de nós , estamos resignados na nossa condição de vida? Não vemos saída, nem alternativa, que nos dê paz no nosso íntimo? Apenas carregamos o fardo. Isto vale para o trabalho, para os relacionamentos, para os casamentos, para as situações da vida em geral.
Escolher a resiliência, significa buscar soluções , mesmo sob pressão e um meio termo, para as situações da vida. No caso do meu amigo e sua saúde, me parece que está neste caminho, convivendo com sua doença, ciente dos riscos, mas positivo e enfrentando a pressão dos tratamentos com maturidade. Isto não o isenta de ansiedade e às vezes impaciência, mas nunca de baixo astral, confiante e com fé em Deus e na medicina.
Foi mais uma semana de exercícios e convivência, extremamente agradável e produtiva, na companhia do meu amigo e parceiros da academia.

JTBrum 2019


segunda-feira, maio 20, 2019



27º Encontro : Sementes lançadas na terra.

Comentamos com meu amigo , no último encontro na academia, sobre as varias idéias e teorias, discutidas entre nós e lançadas por ele nos seus escritos.
São muitas teorias e constatações sobre a doença câncer. A palavra da medicina e dos médicos sobre as alternativas de tratamento. O que funciona para uns, não funciona para outros. Seu pai, médico no interior , dizia que “aquilo que o bisturi cura ,está curado”. Por isso, vemos tantos casos de cirurgias bem sucedidas, com a extração do tumor, sem deixar vestígios. Mas quando já se tem metástases, a coisa fica mais complicada.
Falamos sobre o livro do Anti Câncer do Dr. David Servan Schreiber e suas dissertações sobre o assunto. Falamos também sobre as pesquisas. Uma frase de um grande pesquisador francês René Dubos : “Sempre pensei que o único problema da medicina cientifica era o fato de ela não ser suficientemente cientifica. A medicina moderna só se tornará verdadeiramente cientifica quando os médicos e seus pacientes tiverem aprendido a tirar partido das forças do corpo e do espírito que agem através do poder de cura da natureza”.
Nosso corpo é um imenso sistema em equilíbrio, onde cada função está em interação com todas as demais. A modificação de um único desses elementos afeta necessariamente o conjunto. Cada um pode escolher por onde deseja começar: alimentação, atividade física, trabalho psicológico, ou qualquer outra abordagem que traga mais sentido e consciência a própria vida. O importante de tudo é alimentar o desejo de viver. Alguns farão participando de um coral, mergulhando em filmes cômicos, fazendo um diário ou escrevendo como fez meu amigo.
Ter consciência disso é realmente fundamental e prestar atenção aos sinais do corpo é essencial para quem deseja viver plenamente e por muito tempo.
Nestes dias, ainda comentamos sobre sua experiência ao CAPC (Centro de Apoio ao Paciente com Câncer) em Florianópolis. Ele lembrava que nestas reflexões e nas dinâmicas, surgia uma questão central, para a felicidade e paz interior dos participantes. Onde se perdeu a criança feliz que havia dentro de nós? Fazer esta busca e resgatar era nosso grande desafio. Em que momento começou a mudar, esquecê-lo ou esconder-se atrás de uma máscara ? Onde anda aquele menino ou menina que brincava alegre e sem preocupações?
A propósito me falou de um livro recomendado: “O cavaleiro preso na Armadura” de Robert Fisher, uma fábula para quem busca a Trilha da Verdade. Comprei para ler e buscar a minha verdade! Ao longo deste período, de altos e baixos, buscamos recursos e alternativas, muitas vezes , fugas e negação dos nossos reais problemas.
Para arrematar me disse, algo que ouviu e ficou gravado na sua memória: “meu filho, se estiveres doente, não te descuida de ti, mas ora ao Senhor que te curará” (Eclesiástico 38) Foi isto que diz ter feito nesta semana de retiro e reflexão.
As palavras colocadas em cada texto, refletem o estado de espírito e motivação daquele momento. Revisando estes meandros, dá para perceber, a avalanche de emoções, sensações e estado de espírito daquele momento. Numa revisão agora, queria que as palavras mais produtivas, mais sensatas, melhor aplicadas em cada texto, pudessem ser como sementes lançadas, nos corações dos leitores. Muita pretensão? Esperança? Expectativa? De tudo um pouco... Temos consciência da percepção diferente de cada leitor sobre o enfoque das palavras e seu sentido. Sobre aquilo que valorizamos e o que achamos secundário. As idéias que coincidem com nossos valores e aquelas que rechaçamos ou deixamos passar em branco.
O amor a vida, o apreço a família e aos amigos, nos tornam lutadores incansáveis pela sobrevivência. Aliados a fé, a esperança e a misericórdia Divina, seguimos nossa jornada, sem olhar para trás, apenas os olhos no futuro. 

JTBrum 2019

 


quarta-feira, maio 01, 2019

 
26º Encontro : Quimioterapias: Uma balança de prós e contras.
Depois de tentar um tratamento de ponta,sem sucesso, meu amigo voltava agora para o tratamento convencional. Ele suportava bem as quimioterapias e na primeira semana pós-quimio, era um pouco mais difícil, mas logo depois estava ele na Academia, fazendo seus exercícios e bem humorado , batendo papo com seus colegas. Lógico que tinha a perda de cabelo, da cor da pele, das unhas, Mas isto ele tirava de letra. Os efeitos colaterais para uns tem um peso, para outros nem sempre.
Sabíamos não seria a cura, com quimio, mas alongava o tempo. Agora a proposta era fazer 10 sessões, uma a cada 21 dias. Sete meses. E teria uma relativa qualidade de vida neste período. Para situar meus demais amigos, no tempo e no espaço, isto ocorreu no ano de 2018.
A expectativa é agora baixar o PSA, o desafio permanente no processo de controle e avaliação do tumor e sua atividade.
Meu amigo tem se afastado da publicação de textos, por achar que podem avaliar sua iniciativa , como um processo de vitimização, falando de sua doença, seus tratamentos. Tenho insistido com ele. Há outras facetas, para analisar na sua iniciativa.
 A primeira é, como pessoas enfrentam o mesmo problema, reagem e superam suas aflições.
Uma segunda visão é, como desmistificar este assunto: câncer , o dia a dia do paciente e como enfrentar os tratamentos recomendados. Além de outras, há um aspecto que sempre ajudou meu amigo no seu processo de encarar o assunto: como uma terapia, expondo e expondo-se nos seus textos publicados.
Meu amigo diz que muitas pessoas conhecidas, tem se manifestado , nos comentários, contando que estão passando por problema semelhante e isto tem lhes ajudado a encarar os fatos com realidade e empatia.
Quando se é diagnosticado com câncer, todos os depoimentos dizem : o mundo desaba. A morte é certa. O tempo nós o diminuímos por conta própria e não há mais o que fazer ...
Despedir-se. Abandonar os sonhos. Dizer adeus aos prazeres da vida. Mas com o passar dos dias, Deus se encarrega de nos mostrar . Ele é o Senhor do tempo e o Seu tempo não é o tempo os homens. E a vida começa a fluir ... Queiramos ou não .
No caso do meu amigo, neste mês de maio/19, completa cinco anos do diagnostico. O que comprova o escrito acima. Só Ele sabe quando é nossa hora. Nestes anos, muitos amigos, colegas e conhecidos , saudáveis, se foram sem tempo de pestanejar. Cada um tem que carregar sua cruz. Com boa vontade, relutante ou esbravejando.
Os textos dos nossos encontros na Academia ou fora dela, retratam o dia a dia, nestes anos, e tem depoimentos de pessoas acompanhando de perto ou a distancia, mas sempre com importante interesse, pelo próximo capitulo. Agora alguns até cobram pelos capítulos pendentes.
A força e as demonstrações de carinho, dos amigos , parentes , familiares, e até dos netos que perderam, no momento, o companheiro nas brincadeiras, nos dão força para seguir em frente, com fé e esperança.
JT Brum 2019

quinta-feira, abril 18, 2019




25º Encontro : O valor de uma visita.

Não tinha pensado nisso antes. Fazia visitas e recebia visitas, sem outra conotação , a não ser de ter contato, bater um papo, atualizar as informações.
Meu amigo , no entanto , enfatizou alguns aspectos que me passavam desapercebido, e que comecei a valorizar.
Hoje o whatsup , o facebook, e outros aplicativos, delimitam os contatos pessoais, e fazem com que pensemos que estamos realmente nos comunicando, interagindo e que nossas relações sejam realmente aproximadoras e sensitivas.
Diz ele, ter recebido, visitas marcadas com antecedência, visitas de improviso. Visitas de amigos, de parentes , conhecidos, mas todas cheias de carinho, de expectativa positiva pelo seu estado de saúde. Ouvem com atenção seus relatos, suas aflições. Compenetram-se das suas dificuldades e perspectivas. Palavras de incentivo brotam fácil, com sinceridade. Esta interação cria um clima positivo, contagiante , e não só aproxima, como envolve a todos .
A determinação de quem sai da sua rotina , para visitar um amigo convalescente, tem méritos que nem sempre são reconhecidos, no primeiro instante, mas logo aparece no sorriso e no agradecimento de quem recebe a visita, como um conforto e um bem estar que se prolonga , para além do período da estada. Fica um clima de alto astral, saboreado pelo anfitrião e seus familiares.
O prazer de servir um café, um chimarrão ou simplesmente água, é impagável e nesta pequena gentileza , procura retribuir o gesto e o desprendimento. Mas há visitantes mais empenhadas e diligentes, que não satisfeitas como o próprio ato da visita , ainda trazem um regalo, seja um livro, um doce ou algo que saibam do gosto do visitado. Visitas cheias de calor humano.
Pelo entusiasmo com que fala, meu amigo deve ter recebido inúmeras visitas, inclusive minha e de minha esposa.

Contou-me ele, que o tratamento com Xofigo não funcionou. Teve que ser abortado na segunda aplicação. Pelo visto, voltara as quimios novamente. Esta instabilidade e incerteza geram uma angustia, não só no paciente, mas nos familiares. É como saltar de um avião , achando que esta usando o paraquedas adequado, bem dobrado e seguro, mas em plena queda dar-se conta que terá que usar um de reserva, de emergência, pois o principal não funcionou.
E ao cair, recobrar-se do susto, ter que buscar novas alternativas, para sobreviver. Assim são os dias do paciente, que espera pelo tratamento inusitado, que poderá salva-lo definitivamente. Há que ter boa dose e reserva de fé e esperança no seu coração. Mas não se luta só por si. Há todo um conjunto de familiares, amigos, parentes, e conhecidos, na reza e torcida, para dar certo. Não dá para decepcionar ninguém !
E assim seguimos em frente, vivendo o dia a dia, com o suporte da medicina, da família e de todos os amigos que nos visitam ou que nos mandam mensagens de otimismo.

JTBrum 2019


quarta-feira, março 20, 2019




24º Encontro : Uma visita especial. 

Tinha prometido ao meu amigo que iria visitá-lo. Não temos nos encontrado na Academia, o que tem quebrado nossos encontros diários, mas não diminui nossa amizade,nem nossa afinidade. Afinal amigos, independente da distancia ou dos contatos, a amizade se mantém intacta.
Aproveitei e levei um livro, para inspirá-lo nos seus escritos. (O tempero da Vida – de Gilbert Keith Chesterton).
Contou-me que a medicação Xofigo, havia chegado e fez a primeira aplicação. Um produto radioativo, com muitos cuidados na aplicação e depois , com aferição com um detector de radioatividade. A expectativa é pela extinção das metástases no esqueleto. O indicador para isto, ainda é o PSA , que deve diminuir, se funcionar.Passados dois dias da aplicação, nem um efeito colateral ou indisposição. Trina dias depois , a segunda aplicação. Antes disso, exames de controle, para aferir a resposta.
Ele continua com o moral elevado apesar dos percalços do dia a dia. Não tem sido fácil enfrentar esta doença, que escamoteia de um lado para outro, sempre que se sente aprisionada ou encurralada por medicações e tratamentos. As quimioterapias são uma prova disso. Algumas têm o poder de minguá-la até determinado ponto e às vezes extingui-la, mas via de regra, ela resiste, como se ficasse crônica , encapsulada, inerte.

Parece esta aprendendo a viver cada dia.

Sua rotina mudou. Sem as corridas, apenas caminhadas, sem o encontro diário na academia, sente falta dos amigos e colegas . Tem mais tempo para ler e escrever, embora não na velocidade habitual e inspiração que gostaria.

Dizem que a fé remove montanhas, disse-me ele que nem precisam ser montanhas, apenas pequenas partículas da doença. Mas também ele sabe que o tempo de Deus é diferente do tempo dos homens. Ter perseverança e resignação , parece ser o caminho. 

JT Brum 2019